Cirurgia virtual deixa especialistas entusiasmados


As cirurgias virtuais já são uma realidade e devem se tornar mais frequentes daqui alguns anos. Com menor risco cirúrgico e de contaminação, elas são a aposta da medicina para o futuro.

Com o uso da realidade virtual, as cirurgias poderão ser planejadas à distância e assistidas por robôs em ambientes totalmente isolados. Procedimentos feitos dessa forma diminuem consideravelmente o risco de infecções hospitalares e podem se tornar tendência em tempos de Coronavírus, em que o contato físico deve ser mantido apenas quando estritamente necessário.

O cirurgião-dentista Vinicius Garcia Araújo é especialista no uso de cirurgias virtuais no país e confia no poder da tecnologia como aliada na área da saúde.

“Cada vez mais vamos ter cirurgias guiadas, planejamentos 3D virtuais e tudo será feito com o mínimo de contato humano com o paciente na hora da operação, prevenindo não apenas contágio, mas também aumentando a precisão e assertividade dos procedimentos”, comenta.

Vinicius Garcia Araújo aparece de braços cruzados em seu consultório

Cirurgias virtuais: o futuro da medicina

Devido à pandemia de Coronavírus, hospitais em todo o mundo estão cancelando cirurgias agendadas e restringindo atendimentos somente para situações de emergencia. As medidas procuram evitar que pacientes sejam expostos ao vírus.

Segundo a equipe do profissional, o risco de contrair o Covid-19 se tornou iminente mesmo em ambientes controlados, como os de uma sala cirúrgica. As cirurgias virtuais devem ser a nova aposta da medicina na redução destes riscos e já são indicadas em diversos casos.

Médico mexe em lâminas virtuais em uma projeção touch screen

“Na área da odontologia, por exemplo, através de um exame tomográfico e do escaneamento virtual de arcada e face, fazemos a modelagem através de software e o planejamento de qualquer cirurgia, seja ela de implantes, remoção de tumores e deformações esqueléticas. O mesmo pode ser aplicado a diversas outras áreas da medicina”, afirma Vinicius.

Profissional mexe no computador. Na tela é possível ver a foto de um crânio.

À medida que estes procedimentos se tornarem mais frequentes, espera-se que robôs e braços mecânicos com altos índices de precisão sejam desenvolvidos para realização de cirurgias utilizando câmeras e sensores.  “Isto tudo resulta em maior previsibilidade e menos risco de morte para o paciente, além de um pós cirúrgico mais tranquilo”, afirma o cirurgião-dentista.

Outra possibilidade disponibilizada pela tecnologia é o uso de algoritmos para prevenção de doenças. Atualmente, eles já são utilizados em pesquisas que buscam estimar o momento em que pacientes terminais irão morrer.

Fonte: via


Redação

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *