O que tem por trás da intérprete de libras na live de Marília Mendonça encanta internautas


Primeira artista que, no meio de uma pandemia, se preocupou com a tradução do seu show em Libras (Língua Brasileira de Sinais), Marília Mendonça não imaginava a repercussão que tal decisão teria! Antes mesmo de iniciar o show, os memes já rolavam soltos na internet. Mas só foi começar, que as atenções se voltaram não só para cantora sertaneja e sua sofrência típica, mas para uma das intérpretes de Libras, que com toda emoção, transmitia para surdos e ouvintes o que estava sendo cantado.

Sucesso unânime desde a noite de quarta-feira (8), a fonoaudióloga  Gessilma Dias, 45 anos, ainda está sem entender o que aconteceu. “Não estou conseguindo processar”, comentou a tradutora em entrevista ao Universa, do UOL, sobre os inúmeros memes e elogios ao seu trabalho na internet.

“Alguém conseguiu meu telefone e passou para a produção. Tenho 20 anos de trabalho, não são 20 dias. Então é um histórico. E um trabalho desse nível não é fácil. Mas onde fala que precisa de intérprete, nem pergunto. Simplesmente vou, porque ninguém lembra que essas pessoas precisam”, detalha sobre o convite que chegou um dia antes do evento.

View this post on Instagram

Vocês tão percebendo isso? Kkkkkkkkkkk vem pro meu Twitter gente (link na bio ou nos stories )

A post shared by Sou Eu Na Vida (@soueunavida) on

Fã declarada de Marília Mendonça, essa foi a primeira vez que Gessilma traduziu um evento musical. Ela dividiu o trabalho com outro intérprete, Viny Batista. Juntos, os dois traduziram mais de cinco horas de show. A apresentação, que começou por volta das 20h, foi até aproximadamente 23h30. Transmitida pelo canal do YouTube da artista, a live chegou a contar com mais de 3,2 milhões de telespectadores ao mesmo tempo (um recorde na plataforma) e arrecadou dinheiro e donativos para ações de combate ao novo coronavírus.

“O ideal era uma equipe de pelo menos seis profissionais trabalhando, pra gente se revezar. E foram 52 músicas. Virei a noite estudando, busquei pessoas surdas para me ajudar nesse estudo. Não dá pra fazer da cabeça da gente. Não podia fazer um trabalho mais ou menos. Mesmo assim houve falhas, a gente se perdeu em algumas coisas, mas foi a melhor forma que podíamos fazer. Ninguém pensou nisso até agora, e fico feliz pela Marília ter esse olhar”, desabafa.

(Foto: Acervo Pessoal)


Além da experiência profissional, ser fã de Marília Mendonça deixou Gessilma mais à vontade e tranquila para o trabalho. A empolgação vista nas expressões durante a tradução tem a ver, inclusive, com as duas coisas. “O surdo tem que entender a diferença entre um Jornal Nacional para um show artístico. Se estou dando notícia sobre a pandemia, preciso estar séria, mas se estou num show, todo mundo está se divertindo. Por que tenho que fazer tradução igual a um robô? As expressões manuais são parte da língua se sinais e tem que incorporar mesmo”, acrescenta.

O trabalho foi feito dentro do estúdio da cantora, e elas não tiveram muito contato por conta do isolamento social:


“A gente se viu de longe e não pôde fazer foto, sentar pra conversar. No fim, fomos lanchar e ela agradeceu o trabalho”, comentou.

Fonte: via


Redação

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *